Página inicial
divulgar evento
atendimento directo
horários e contactos
>
 
Explorar as Caldas da Rainha
Tradição
Album de fotografias
Museus
Eventos anuais - disponível brevemente
Serviços/Contactos úteis
Portal Caldas da Rainha > visitante > O que fazer
Conheça a Cidade


Destaca-se à partida o Parque D. Carlos I, para um passeio pelo seu interior, onde ainda se vislumbra o naturalismo e romantismo com que o Arquitecto Rodrigo Berquó o projectou nos finais do século XIX. Andar de barco no lago, brincar com as crianças no parque infantil, contemplar a excelência da construção de outros tempos nos pavilhões do parque, jogar ténis, visitar o Museu José Malhoa ou observar a magnífica diversidade florística, são algumas das muitas coisas que ali se pode fazer.
Para os amantes da natureza, impera uma visita à Mata Rainha D. Leonor, onde um revigorante passeio a pé estimula os sentidos, podendo os amantes das corridas aproveitar para fazer os percursos trilhados existentes. No seio desta descoberta pode-se vislumbrar vários chafarizes e mesas de pedra pelo caminho, sinais de outros tempos.

Outra visita obrigatória é ao Centro Cultural e Congressos de Caldas da Rainha, uma obra de mais de 18 milhões de euros, inaugurado em 2008, que congrega um dos espaços técnicos mais modernos do país e da europa. Dividido em cerca de uma dezena de andares, três deles subterrâneos, com dois auditórios, várias salas multiusos, Galeria de Arte e espaços públicos multifacetados que podem ser transformados em espaço de eventos, como é o caso do foyer, possui uma agenda também ela eclética e diversificada em termos de espectáculos, congressos e outros eventos. O facto de ter um restaurante com serviço de qualidade e preço acessível, torna-o ainda mais apetecível, num espaço já de si interessante, ao estilo café concerto, também muito procurado pelos internautas que ali beneficiam de um serviço wireless gratuito, quer no interior, quer na esplanada.

A Praça da República, mais conhecida como Praça da Fruta, é igualmente um local obrigatório, pois além do famoso mercado da fruta, é uma zona central onde a compra de recordações nas ruas circundantes e as ruas comerciais pedonais apelativas ao comércio ou simplesmente para quem gosta de admirar montras, fazem desta parte da cidade um must go.

Numa cidade com uma grande variedade de museus, não se poderia deixar de lhes sugerir uma visita. Para quem não tiver tempo para fazer um percurso pelos interessantes museus da cidade, sugerem-se dois que estão ligados historicamente a Caldas da Rainha: o Museu da Cerâmica e o Museu do Hospital e das Caldas. No Museu da Cerâmica podemos encontrar a grande tradição ceramista que Caldas da Rainha patenteou no século XX, enquanto o Museu do Hospital e das Caldas nos traz a História com estórias sobre a fundação da cidade, onde além do Museu são passíveis de ser visitados os belos jardins circundantes e a Igreja Matriz de Nossa Senhora do Pópulo.

Toda uma diversa oferta de serviços empresariais e turísticos completa o ramalhete de uma Cidade que sabe receber e servir.

Conheça a Lagoa de Óbidos
 
A Lagoa de Óbidos é um dos mais belos locais da costa ocidental de Portugal e constitui um frágil ecossistema onde diversas espécies encontram um privilegiado habitat. Numerosas aves aquáticas e migratórias podem aqui ser observadas, mas é sobretudo ao nível dos moluscos bivalves que reside a importância da fauna desta área.

Até ao final da idade média, esta estendia-se até ao sopé da Vila de Óbidos, mas a evolução da linha da costa, numa constante mutação limitou substancialmente o seu perímetro.
A Lagoa de Óbidos tem constituído uma fonte de rendimento importante para as populações locais através da pesca artesanal de diversas espécies de peixes e de bivalves, tais como, amêijoas, berbigão e cadelinhas, ao nível dos peixes salientam-se, o robalo, enguias, linguado, dourada e chocos.
A Lagoa de Óbidos é uma área de grande importância e capacidade de produção de riqueza económica, social, e por fim, talvez a mais importante de todas, a riqueza ambiental.

Sendo uma massa de água salgada, a Lagoa de Óbidos caracteriza-se por uma uniformidade da qualidade das águas e comunica com o mar por um canal chamado a zona da “aberta.

A Lagoa de Óbidos é um dos mais belos programas turísticos da região, em especial nos meses mais quentes as duas margens enchem-se de gente, atraída pela sua beleza natural.

A Lagoa de Óbidos é considerada a maior e mais bela Lagoa de água salgada da Península Ibérica.
 
 

Conheça o Concelho
 
O concelho de Caldas da Rainha é muito aprazível de ser visitado, quer nas suas freguesias costeiras, quer no seu interior. A Foz do Arelho é uma das mais belas praias do país, possuidora de uma riqueza natural infinda, onde são pérolas a praia do Mar, a praia da Lagoa, os miradouros e arribas de onde se pode contemplar o Oceano e as Berlengas, a marginal da Lagoa que pode ser percorrida num circuito pedonal à descoberta da fauna e flora locais, além do Centro da Vila ter frequentemente animação para todas as idades. A Lagoa de Óbidos é outra das pérolas que, per si, arrasta multidões para a contemplar apaixonadamente, que pelo lado norte nas freguesias de Nadadouro e Foz do Arelho, quer pelo lado Sul no concelho de Óbidos. A freguesia do Nadadouro beneficia assim de vistas fantásticas que fazem as delícias dos amantes da fotografia, além de estar na zona de excelência para os amantes da Natureza, já que no seu braço que envolve a Lagoa, é possível avistar as mais diferentes espécies de aves, assim como de uma flora admirável. Justifica-se plenamente um passeio pela marginal atlântica a partir da Foz do Arelho, passando pela Serra do Bouro, com paragem obrigatório no seu magnífico miradouro, até chegar a Salir do Porto, onde se pode desfrutar das piscinas locais, ou simplesmente fazer um passeio nos trilhos marcados que incluem spots de birdwatching, havendo ainda a possibilidade de horas de diversão nas dunas e na sua praia fluvial. A freguesia da Tornada, mesmo à saída da cidade, tem uma parte que é considerada citadina, conhecida sobretudo por uma reta enorme, possuidora de restaurantes que alegram os que por ali passam, querendo provar um pouco da gastronomia caldense, quer estejam de passagem, ou prestes a entrar na cidade. Mas também a parte verde da freguesia é um polo de atracção, nomeadamente devido ao Paul de Tornada, local de referência das zonas húmidas, onde a fauna e flora são protegidas pela associação PATO. No interior do concelho, em A-dos-Francos, encontra-se uma Vila muita dinâmica, conhecida pela sua Gastronomia e pela sua vivacidade em termos culturais, pois o seu associativismo oferece uma variedade que pode ver vista não só em eventos desportivos, mas também nos corsos carnavalescos e actuações de ranchos folclóricos. Tem ainda a particularidade da estação da Mala-Posta do Casal dos Carreiros ficar na sua freguesia, remontando-nos para 1856, data da sua edificação, fazendo parte do troço da correspondência entre Lisboa e Gaia criado em 1859, que se fazia em cerca de 34 horas e passava nesta estação. É considerado Imóvel de Interesse Público desde 1993. Num dos extremos interiores do concelho, encontra-se a Vila de Santa Catarina, terra de grande animosidade, onde as principais actividades económicas são a Cutelaria, a Marroquinaria e a Agricultura. Possui uma Banda Filarmónica desde 1892, sendo actualmente muito reconhecida pela sua grande qualidade. Toda a Vila revela sinais de grande evolução económica, não obstante dos inúmeros espaços verdes que a circundam estarem intactos e serem um polo de atracção. Na freguesia ao lado, no Landal, a razão da visita justifica-se para conhecer o Parque Eólico onde a terra encontra o céu, desfrutando de magníficas paisagens, aliadas à possibilidade de conhecer a freguesia responsável por 80% da produção nacional de codornizes, com o apogeu a ser a realização do Festival Nacional da Codorniz, que atrai gente de todo o país. Alvorninha, terra-mãe de D. José Policarpo, é uma das freguesias que serve de excelente exemplo para o bom investimento rural, dados os muitos apoios que tem recebido advindos de excelentes projectos para o regadio na agricultura rural. Promove anualmente um certame de Tasquinhas tradicionais verdadeiramente digno desse nome e também possui uma Banda Filarmónica de craveira já reconhecida. Vidais, Coto e Salir de Matos são freguesias sobejamente conhecidas pelo belo passeio que proporcionam, onde a Gastronomia e a simpatia é apanágio e característica intrínseca dos seus habitantes. Nos Vidais sente-se a paz com a natureza, onde ainda é possível encontrar o descanso, embora próximo da cidade. O Coto, não obstante de ser uma freguesia à beira da cidade, beneficia da tranquilidade do campo, sugerindo-se uma visita pelo passado à Igreja Paroquial de Nossa Senhora dos Anjos e à Capela de São Jacinto. Em Salir de matos, além de se poder conhecer a magnífica gastronomia local, pede-se uma visita à secular, embora remodelada, Igreja de Santo António. Para quem gosta de património, não deve deixar de visitar a Capela da Quinta de Nossa Senhora da Piedade, uma ermida parcialmente piramidal de qualidade ímpar. Na freguesia do Carvalhal Benfeito, cuja paróquia foi constituída nos finais da Idade Média, devota-se a Nossa Senhora das Mercês, sendo possível ali contemplar belas paisagens panorâmicas, recomendando-se a Mata das Mestras, onde existe uma estação de geocaching, a zona florestal de Pinhoas ou mesmo percorrer o caminho florestal na Cabeça do Touro. A sua actividade económica prende-se com os bordados, a tanoaria e os sapateiros tradicionais. Existe ainda a particularidade da freguesia ser palco da lenda de D. Gastão, um nobre provavelmente condenado ao desterro após a Restauração da Independência, que após o desconhecimento do seu paradeiro, se dizia que este havia ido castigado a ir para o Carvalhal, ficando com o nome ligado à toponímia da terra. São Gregório tem umas das maiores áreas florestais do concelho, actualmente com a predominância da fruticultura, tendo no Cabeço do Seixo um dos mais altos pontos do concelho. A indústria de transformação de madeira, o comércio e a prestação de serviços, são algumas das suas principais actividades económicas. Também aqui existe uma lenda, que remonta ao tempo dos mouros, onde o local denominado Fonte da Moira se refere ao sítio onde uma moura se refugiou aquando da reconquista cristã. Destaque ainda para o rancho folclórico, “As Ceifeiras da Fanadia”, fundado em 1934, já com fama espalhada pela Europa e pela América do Norte, tendo recebido em 2007 a medalha de mérito, grau Bronze, atribuída pela Câmara Municipal de Caldas da Rainha.
 
File Panorâmica da Lagoa de Óbidos
Clique para fazer download 
File Filme da Lagoa de Óbidos
Clique para fazer download 
© Município das Caldas da Rainha . Todos os direitos reservados
Praça 25 de Abril, 2500-110 Caldas da Rainha |
geral@cm-caldas-rainha.pt | tel.: [+351] 262 240 000 | fax: [+351] 262 839 728
Município das Caldas da Rainha